terça-feira, 18 de março de 2014

APOSTILA COMO CRIAR PATOS DE PEQUIM


DOWNLOAD DA APOSTILA COMPLETA 

ABATE

Preparativos para o abate
Antes de se proceder ao abate recomenda-se não dar comida aos patos pelo menos durante seis horas, mas é preciso dar-lhes de beber. Ao cabo de seis horas o estômago e os intestinos das aves estarão praticamente vazios o que facilitará a limpeza das suas carcaças. Caso o conteúdo dos intestinos entre em contacto com a carne tal pode estragar o gosto e a sua qualidade.
O abate
Caso seja feito de forma correta, a melhor e a mais rápida maneira de abater os patos é de cortar (com uma faca ou um machado) a garganta da ave. Se a ave for abatida de acordo com a lei muçulmana, o pescoço da ave não deverá ser quebrado, mas a cabeça tem que ser degolada, com um único golpe. Em seguida deixa-se escoar o sangue do animal.
Qualquer que seja o método de abate utilizado, deverá deixar escoar o sangue do corpo, com o objetivo de assegurar que a carne tem boa qualidade. Para fazer isto, bastará segurar o animal pelas patas até que o sangue se escoe todo. Também existem dispositivos especiais para este fim, nos quais se coloca os patos pendurados com a cabeça para baixo.
Uma vez que o sangue todo está coado do corpo, pode-se depenar o pato, operação que é mais fácil de realizar quando o corpo ainda está quente. Para facilitar a tarefa de depenar o pato também se pode mergulhar a sua carcaça em água quente (a uma temperatura de, mais ou menos, 55 °C) durante, aproximadamente, dois minutos. Comece por retirar as penas grandes das asas, depois do dorso, os lados e o peito. Por fim as penas das pernas, do pescoço e do resto das asas.
Poderá esvaziar completamente o conteúdo dos intestinos, apoiando uma mão sobre a barriga do animal. Para que a carcaça tenha um aspecto limpo e esteja pronta para ser vendida, pode cortar a cabeça e retirar os miúdos, caso o cliente assim prefira. Se retira os miúdos, tenha cuidado para não rebentar a vesícula biliar (fel), pois o seu conteúdo irá estragar o gosto da carne
Os patos também produzem estrume. Este pode servir para fertilizar os campos, tal como a bosta das vacas. Quando se procede à limpeza dos abrigos pode empilhar as camas e os seus excrementos para fabricar composto, que serve igualmente de fertilizante.
Os excrementos dos patos poderão ser utilizados diretamente como estrume, por exemplo num sistema de produção integrado com piscicultura ou orizicultura
Manutenção de registros
Vale a pena manter um registro do que acontece na sua exploração agrícola. Nem toda a gente acha fácil ou útil este trabalho, sendo muitas das vezes encarado como uma corvéia. Caso se trate de um pequeno bando de aves e de uma atividade a curto prazo, é possível recordar a informação mais importante. No entanto se a intenção é de criar patos durante muito tempo e se quiser levar a cabo uma exploração comercial, é necessário manter um registro do que se passa.
Dependendo do tipo de exploração que leva a cabo, é bom manter registro dos seguintes dados:
* Número de ovos postos por dia
* Quantidade de comida distribuída cada dia
* Custos da alimentação e cuidados sanitários
* Investimento realizado na construção da habitação
* Quais os patos que são bons reprodutores e os que não o são
* Número de ovos incubados e a data que os pôs a incubar
* Quantos ovos eclodiram
*  Número de patinhos que sobrevivem e números dos que morreram
Esta lista não é exaustiva nem compulsiva. Cabe a cada um decidir sobre que informação quer manter um registro, dependendo do tipo de exploração comercial que realiza.
A informação recolhida pode ajudar a tomar decisões sobre a gestão ou a ajudar a encontrar uma solução para um problema. Por exemplo:
*  Quando sabe a data que pôs os seus ovos a incubar, poderá calcular a data em que os patinhos nascerão. Estará, portanto, preparado para tomar os cuidados necessários com as aves recém-nascidas.
*  Pode calcular quando é necessário substituir os patos que atingem o fim do seu período reprodutivo.
* Quando a reprodução parece decrescer durante um determinado período, poderá consultar os seus registros concernentes ao mesmo período num ano precedente para ver se tal era o caso. Caso se note uma diminuição da produção, poderá começar a procurar uma causa para este declínio na produção e, possivelmente, encontrar uma solução para o problema.
* Pode acontecer que os seus patos pareçam, durante um certo tempo menos saudável que o usual, tenham menos peso ou cresçam mais lentamente do que de costume. À primeira vista poderá parecer que os patos estão doentes. Antes de consultar um veterinário poderá verificar, primeiramente, se está a alimentar os patos com menos quantidade do que anteriormente.
Caso os patos, depois de lhe ter ser sido dada mais comida, pareçam, imediatamente, mais saudáveis, pode ver que eles não estavam doentes, mas que apenas necessitavam de um pouco mais de comida.
*  Também é recomendável manter registros para os patos de carne. Se mantiver um registro no que concerne ao peso (p.e. semanal) pode se ver rapidamente se os seus patos estão a desenvolver-se bem.
*  Mantendo um registro de todos os custos incorridos, poderá calcular o preço de custos dos seus produtos e, dessa maneira, verificar se a exploração é ou não rentável.
Para manter um tal registro é suficiente escrever diariamente, num caderno escolar ou bloco de notas, tudo o que foi realizado. Se pretende ser mais acurado, poderá fazer listas segundo tópicos. Mantenha o seu registro da forma que para si seja mais fácil de utilizar e encontrar as informações de que necessita.
O cálculo do preço de custo
A informação referente aos custos realizados pode ser utilizada para calcular o preço de custo dos produtos dos seus patos. Uma vez feitos os cálculos sobre os preços de custo poderá compará-los com o preço obtido no mercado. Desse modo poderá decidir se criar patos é uma atividade rentável. É preciso ter em conta que o seu preço de custo deverá ser mais baixo que o preço de mercado, caso queira ganhar alguma coisa!
A resenha de dados que a seguir apresentamos mostra a informação que necessita de recolher para calcular o preço de custo:
Custos variáveis Custos fixos
Compra dos patinhos Habitação
Custos de alimentação Equipamento
Gasolina / eletricidade
Cuidados sanitários
Outros (p.e. reparação da capoeira)
Os custos de mão-de-obra não se encontram incluídos mas os lucros obtidos a partir da atividade de criação de patos deverão ser suficiente para o tempo que investiu nela. Claro que existe uma diferença significativa caso a criação de patos constitua a sua principal fonte de rendimentos ou se trata de uma atividade lateral.
Custos variáveis e custos fixos
A divisão que foi feita entre custos variáveis e fixos é uma técnica contabilística. Esta distinção é geralmente efetuada quando se procede a uma contabilidade ou quando a administração da exploração agrícola se torna mais complexa.
Custos variáveis
Custos variáveis são os custos efetuados com as atividades quotidianas da exploração agrícola. Mudam quando a dimensão da produção muda ou quando as condições de produção se alteram.
Os custos variáveis são: custos de alimentação; – medicamentos; compra de novos patinhos, energia, etc. Por exemplo: os custos de alimentação duplicarão se criar 100 patos em vez de 50.
Custos fixos
Os custos fixos são os que não dependem diretamente das atividades de produção. Os custos fixos são, geralmente, os custos de investimento em relação às capoeiras e ao equipamento. Por exemplo: os custos em relação à capoeira serão praticamente os mesmos quer crie 50 ou 100 patos. Os custos fixos são realizados apenas uma vez durante um período mais longo. O investimento em relação a uma capoeira é feito por um período de 5 ou até mesmo 10 anos.
As reparações das capoeiras são custos variáveis: os custos de reparação serão mais elevados caso a capoeira seja usada mais intensamente.
Quando se calcula o preço de custo, calculam-se em parte os custos fixos – os custos de depreciação – em função do número de anos que o investimento deverá durar. Caso tenha recorrido a um empréstimo a juros, as taxas de juro também têm que ser tomadas em consideração.
Caso apenas pretenda ter uma simples visão de conjunto dos custos e não tenha efetuado investimentos de grande monta, não será necessário fazer uma distinção entre custos fixos e custos variáveis, basta registrar todos os custos efetuados e adicioná-los custo
Para evitar confusão tomamos um tipo de dinheiro fictício : D. 1D significa uma unidade de dinheiro.
Os preços utilizados no exemplo serão diferentes do preços praticados na sua área, o que quer dizer que os números que obterá nos seus cálculos também serão diferentes daqueles apresentados nos exemplos.
O exemplo apresentado é muito simples, pretendemos dar uma idéia de como se calculam os preços de custo.
No exemplo que a seguir apresentamos, os cálculos foram feitos para um período de postura na sua íntegra. A pata começa a pôr ovos com a idade de 5 meses e continua a postura até que tenha 18 meses (um ano e meio), o que quer dizer que o período de postura totaliza 8 meses, ou seja 56 semanas.
Custos variáveis
Compra de patinhos 5D por patinho
Alimentação
Eletricidade
Medicamentos ou cuidados veterinários
Camas
Transporte para o mercado
Sub total

500
1560
15
30
40
35
2280
custos fixos
construção da habitação, are circundante ,bacia com água

3000

A duração da capoeira foi prevista para 5 anos, o que significa que deverá recuperar 600 D por ano, para ser capaz de indenizar o investimento que foi realizado. O período de criação dos patos é de 18 meses, o que quer dizer que durante este período deverá ser capaz de recuperar 900 D (por motivos de simplificação, não tomamos em conta as taxas de juro).
Os custos totais efetuados no decorrer deste período de postura são, pois, de:
2280 + 900 D = 3 180 D
Produção
Durante este período de postura a produção total de ovos perfez os 3850. Também se venderá a carne (e, possivelmente, o estrume). No caso das patas poedeiras a carne constitui, de fato, um subproduto.
Neste exemplo venderá 70 patos (alguns morreram e outros foram utilizados para o seu próprio consumo).
O rendimento proveniente da carne é de 18 D por pato.
Cálculo do preço de um ovo
Vendas da carne: 70 X 18 1 260 D
Para calcular o preço de um ovo:
Custos efetuados: 3 180 D
Rendimento proveniente da venda da carne: 1 260 D
Custos líquidos: 1 920 D
Preço de custo de um ovo: 1 920 / 3850 = 0,50 D
É evidente que também se pode fazer o cálculo no sentido inverso.
Caso a venda dos ovos se revista de menos importância que a da carne, nesse caso subtrai-se o rendimento obtido pela venda dos ovos aos custos totais. Os restantes custos líquidos totais deverão ser recuperados através da venda da carne de pato.
Caso o seu sistema de criação de patos seja contínuo, quer dizer, caso crie patos de diversas idades, conjuntamente sobre a manutenção do bando), poderá calcular o preço de custo por ovo, durante um determinado período.
No fim de um período (uma semana ou um mês) calculam-se todos os custos efetuados e os rendimentos obtidos. Isto permite verificar se consegue fazer lucro ou se houve prejuízo.
Se comprou uma quantidade muito grande de comida para alimentar os patos durante um período mais longo, é preciso ter atenção quando calcular o preço de custo.
Se o preço da alimentação tiver subido depois de ter efetuado a compra da alimentação, terá que usar o preço atual, mais elevado, para fazer os seus cálculos. Será necessário de novo efetuar mais compras das rações alimentares a um preço superior e ganhar, desde esta altura, o dinheiro necessário para tal.
Análise da exploração durante vários períodos de criação
Neste exemplo apresentamos um esquema de produção de uma exploração agrícola numa região em que há duas estações chuvosas num ano.
A primeira estação seca, de Novembro a fins de Janeiro, é um pouco mais longa que a segunda, em Maio e Junho.
A estação seca mais longa também é a mais severa das duas. Tal fato também se reflete no número de ovos postos cada dia nestas duas estações.
Exemplo 1
Ao compararmos os valores de produção diária  de Janeiro nos anos 1, 2 e 3 podemos ver que a estação seca foi mais seca no ano 2 que no ano 1.
No ano 2, apenas foram postos, em média, 4 ovos por dia, enquanto no ano 1 foram postos 8 ovos por dia e 7 por dia no ano 3.
A partir destes números poderá constatar-se uma diminuição na produção de ovos em Janeiro do ano 2, que se podem comparar com os números de Janeiro do ano 1. Um valor de 4 ovos é bastante inferior mas nesse caso não se pode fazer nada para melhorar a situação, pois é impossível controlar o tempo.
Exemplo 2
No ano 3 no início do mês do Março não existia nada fora de comum para ver nesses números. Não obstante, aproximadamente a meados do mês, as patas começaram a pôr menos ovos. Cerca de finais do mês os números médios diários  eram inferiores aos dos dois anos precedentes, caso se comparem os dados de produção. Nessa altura, se atentar cuidadosamente qual é a causa desse decréscimo na produção de ovos, poderá constatar que a ração que estava a utilizar para os patos se tornou bolorenta. Tal significa que a qualidade da comida diminuiu e que as patas puseram menos ovos.
Estes exemplos evidenciam como utilizar um registro bem mantido e atualizado, para ajudar a verificar rapidamente se a produção está a decorrer segundo o previsto. Após se manter registros durante alguns anos poderá começar a prever quantos ovos os seus patos serão capazes de produzir.
 Análise da produção de ovos (de um bando de 20 patas)
produçao
estaçao seca
estaçao chuvosa
estaçao seca
estaçao chuvosa
severa
curta
suave
longa
nov
dez
jan
fer
mar
abril
maio
jun
jul
ago
set
out
ano 1
por dia
16
10
8
10
16
16
16
14
15
16
17
17
por mês
480
310
480
280
496
480
496
420
450
496
510
527
ano 2
por dia
16
10
4
10
16
16
16
14
16
17
17
17
por mês
480
300
124
280
496
510
496
420
496
527
510
527
ano 3
por dia
15
10
7
11
12
16
16
13
15
16
17
17
por mês
465
300
217
308
372
480
496
390
465
496
510
527

ALIMENTAÇÃO

Alimentação
Diversas maneiras de alimentar os patos
Criados à solta
Os patos são mais fáceis de alimentar que as galinhas. Eles podem comer erva e digerem a alimentação local mais facilmente do que as galinhas. Gostam de comer caracóis, conchas e plantas aquáticas, que podem encontrar nos arrozais, pequenos canais e noutras fontes de água. Caso se encontrem no período de postura ou sejam criados pela carne, necessitam de suplementos alimentares. Os patos que são criados à solta absorvem proteínas suficientes quando comem erva, pequenos peixes, crustáceos e insetos. Mas também têm necessidade de fontes energéticas. Pode-se fornecer comida rica em energia como seja o arroz, derivados da mandioca, sagu (fécula de sagüeiro), batata-doce, etc. Esta comida adicional também pode funcionar como “isca” para pôr os patos dentro, à noitinha. Mantidos encerrados Os patos que são mantidos fechados não podem eles próprios procurar a sua comida e estão dependentes da comida que se lhes dá. O melhor é utilizar rações especiais para estas aves. Trata-se de preparados completos, não sendo necessário que se lhes adicione nada. Caso pretenda alimentar os patos de maneira mais barata, poderá substituir um terço da ração preparada com legumes (restos), restos de comida caseira, a parte de cima da batata-doce, plantas aquáticas tal como seja o kangkong (pomea aquática) e lentilhas de água. Também poderá preparar comida para os patos.
 Água para beber
Os patos necessitam de água para que os nutrientes que se encontram na comida possam ser absorvidos nos vasos sanguíneos e também para poderem eliminar as substâncias tóxicas do corpo. A água também é Alimentação se necessária para se manter uma temperatura constante do corpo, revestindo-se de particular importância caso o clima seja quente. Os patos arquejam para perderem calor e manterem-se frescos, quando a temperatura é alta. A falta de água pode conduzir a uma morte rápida. Existem outros fatores que igualmente exercem influência sobre a quantidade de água requerida pelos patos, como sejam o tipo de alimentação, a freqüência de postura e o tamanho do pato. Um pato adulto necessita de, pelo menos, 2 litros de água por dia. apresentamos as necessidades em água de patos jovens

Quantidades de comida

Normalmente os patos comem a quantidade de comida de que têm necessidade. Caso note que os seus patos estão a perder peso, é porque não comem o suficiente ou a comida não é adequada ou se encontram doentes. Caso não comam o suficiente, dever-se-á aumentar-lhes a ração e aumentarão de peso assim que comam mais. Caso lhes seja dada mais comida e os patos não a comam, tal significa que a qualidade da mesma não é boa. Se este for o caso poder-lhes-á dar uma quantidade maior, uma vez que melhore a sua qualidade.
Caso a comida dada é muita mas sobra sempre, quer dizer que os patos recebem mais comida do que necessitam. Nesse caso é melhor diminuir a quantidade, pois a comida que sobra irá apodrecer e se os patos comerem comida estragada poderão adoecer.
Os patos que continuam a alimentar-se mal mesmo depois de ter tomadas as medidas que lhe são sugeridas, provavelmente estarão doentes.
Para poder decidir a quantidade de comida que deverá dar aos patos, é necessário saber a quantidade que os mesmos necessitam, o que depende da idade do pato e da finalidade da sua criação (ovos ou carne). É óbvio que um pato adulto comerá mais que um patinho de uma semana e as aves destinadas à produção de ovos ou de carne necessitam de mais comida que uma pata que é criada para a reprodução. Caso se dê demasiada comida aos patos estes poderão ficar muito gordos.
Na altura do abate, a camada de gordura não deve ser mais espessa que 0,5cm.
Nutrientes na alimentação
A alimentação dos patos engloba os seguintes nutrientes essenciais:
Primeiramente trataremos estes nutrientes essenciais e na próxima secção debruçar-nos-emos sobre os métodos de alimentação e a sua composição.
Energia
Os patos têm necessidade de energia para poder comer, andar, respirar e digerir a comida. A energia na dieta alimentar deriva, em grande quantidade, dos hidratos de carbono e uma parte das gorduras e dos óleos.
Alimentos energéticos
Mandioca, sagu, batata-doce, inhame, taro, milho, trigo, grãos de arroz, farelo de arroz, restos de comida caseira, melaços e fruta. A quantidade de energia contida nos alimentos é normalmente expressa em quilo-calorias (Kcal) por grama. Também se utiliza os quilo-Joules (kJ). 1 kcal = 4,2 kJ.
Um pato adulto de 1,7 Kg necessita, no mínimo, de 400 kcal por dia, o que satisfaz somente a sua necessidade de ir à procura de comida, de respirar e de digerir a comida. É o que se chama necessidade de manutenção. Um pato que está a crescer (patinho) ou uma pata que está a pôr ovos (poedeira) necessita de energia adicional. Uma poedeira que pesa 1, 7 Kgs necessita, minimamente, de 440-490 kcal por dia. Um pato que se encontra à solta e tem que procurar a sua própria comida durante todo o dia também necessitará de mais energia que um pato que permanece fechado todo o dia. Os patos com um maior peso e as poedeiras que põem um ovo por dia, necessitam, diariamente entre 500 e 600 kcal.
Proteínas
As proteínas são importantes para a manutenção do corpo, crescimento, produção de ovos e de carne e para as funções vitais do corpo. Um patinho que está a crescer necessita de proteínas, especialmente durante as primeiras semanas de idade. Se a sua alimentação é deficiente em proteínas, o crescimento será muito lento ou mesmo nulo.
Alimentos ricos em proteínas
Erva fresca, legumes, plantas aquáticas, peixinhos, crustáceos, caracóis, caranguejos, camarões, farinha de sangue, farinha de peixe, leite desnatado em pó, bolo de semente de algodão, farinha de luzerna, grãos de soja, bolo de semente de girassol.
Vitaminas
As vitaminas são necessárias (em pequenas quantidades) para várias funções vitais. Os patos criados à solta obtêm a maior parte das vitaminas de que necessitam das ervas ou dos restos de legumes.
Os patos que são mantidos presos dependem de um suplemento vitamínico nos alimentos que recebem. Neste caso é bom comprar preparados de vitaminas e minerais. Pode-se, de uma maneira geral, dizer que os patos que recebem uma dieta variada e equilibrada, o que inclui diversos tipos de comida, não correrão o risco de terem uma deficiência vitamínico.
A niacina, por exemplo, é uma vitamina importante para o crescimento e para a plumagem. As poedeiras que não recebem suficiente niacina podem ter problemas de locomoção. A niacina encontra-se presente nos cereais integrais, mas os patinhos não os conseguem digerir bem. Por esta razão recomenda- se suplementar a comida dos patinhos e das patas poedeiras com 5- 7% de resíduos de processos de destilação (borras /sedimentos de sorgo fermentado, bananas, coco, trigo ou milho). Isto favorece o crescimento e evita que os patos fiquem com as pernas fracas ou as patas torcidas. Estas borras de destilação podem ser obtidas nos lugares aonde se procede à destilação de bebidas e devem ser recolhidas regularmente (de dois em dois dias) e guardadas num recipiente limpo na medida em que entram em decomposição e apodrecem muito rapidamente. Se não exalarem um odor pestilento quer dizer que ainda estão em bom estado para serem utilizadas.
Minerais
Para além das vitaminas os patos também necessitam pequenas quantidades de minerais, que são importantes para as funções vitais do corpo.
Os minerais mais importantes são o cálcio (Ca) e o fósforo (P), que são necessários para a formação e manutenção da estrutura óssea e para a formação das cascas dos ovos.
A proporção de Ca:P para os patinhos situa-se entre 1:1 e 2:1.
A proporção Ca:P para as patas poedeiras é de 6:1 e necessitam de 0,4 gramas de cálcio diariamente para que se possam formar as cascas dos ovos.
Alimentos ricos em cálcio:
Cascas de ostras trituradas, cal em pó, farinha de ossos e farinha de ossos fumados, cascas de ovos moídas e cascas de crustáceos.
Polvilhe a comida dos patos com estas farinhas. Não é aconselhável proceder ao fabricante  de farinha de ossos fumados. O vapor só por si não desinfeta suficientemente os ossos e nesse caso pode transmitir doenças

Composição da ração e necessidades

A composição e a quantidade de comida determinarão se as necessidades dos patos são preenchidas. As necessidades dos patos são, por sua vez, determinadas pela sua idade e a utilização.
Patinhos até à 8 semana
Os patos de um dia podem ser alimentados com uma mistura de cereais triturados grosseiramente, umedecidos com leite ou com água. Depois de alguns dias estarão prontos para uma ração em que se misturam vários ingredientes, tal como a composição seguinte:
cereais triturados 30%
farelo fino de cereais 30%
soja moída 20%
extrato de farinha de bolo de soja 10%
cascalho fino e minerais 5%
É preciso acrescentar um pouco de água a esta mistura o que resulta numa ração grumosa. Se acrescentar demasiada água, a ração ficará colada aos bicos dos patos. Acrescente a água imediatamente antes de dar de comer aos patos, pois de outro modo a comida pode azedar e estragar-se.
É uma boa idéia adicionar um preparado de minerais e vitaminas à ração de modo a garantir que os patinhos recebam vitaminas e minerais suficientes. O número de vezes em que devem ser alimentados diminui à medida que vão crescendo.
 A alimentação dos patinhos
semana 1 + 2 pelo menos 4 vezes por dia
semana 3 + 4 3 vezes por dia
1 mês criados à solta: alimentam-se de insetos, conchas, cereais e ervas daninhas.
Não necessitam de muita comida suplementar, apenas à noite para os pôr dentro fechados: a serem alimentados 2 vezes por dia ambos sistemas: verifique se os patinhos têm comida e água suficiente durante todo o dia.
Tenha em conta que as necessidades de comida e de água variam segundo a raça do pato. O quadro abaixo  mostra que as necessidades dos patos em crescimento mudam rapidamente. De um modo geral os patos comem até ficarem saciados. Controle se os alimentos são comidos sofregamente, se os patos se desenvolvem bem ou se deixam comida.
Ajuste a quantidade de alimentação que está a fornecer.


 Necessidades de alimentação e de água dos patos de Pequim em crescimento
Idades dos patinhos semanas
Consumo alimentar kg/semana/pato
Consumo de água litro/dia/pato
Consumo de água  litro/semana/pato
1
2
3
4
5
6
7

0,23
0,75
1,16
1,34
1,47
1,63
1,77
0,22
0,60
0,66
0,68
0,85
1,20
1,50
1,54
4,20
4,62
4,76
5,95
8,40
10,50

Os alimentos que têm um grande teor de proteínas são, na maioria dos casos, muito caros. Caso encontre no mercado alimentos sob a forma de granulados para os frangos em crescimento, também podem ser utilizados para os patos.
ATENÇÃO: Os alimentos para galinhas contêm muitas vezes medicamentos (antibióticos). Se tal for o caso não os dê aos patos pois os antibióticos não são previstos para os patos e estes ficarão doentes! O melhor será testar um novo alimento, dando-o em quantidades reduzidas, no início para ver se não faz mal a estas aves. Claro que os alimentos previstos para patos e que também contêm medicamentos não os afetarão.
Patas poedeiras: necessidades de manutenção
Recomenda-se uma dieta alimentar de manutenção para os patos entre as 8 e as 20 semanas de idade e para as aves adultas entre ciclos de postura. Os patos jovens têm mais necessidades em proteínas e em cálcio que os patos adultos. Quando têm acesso a erva em quantidade suficiente, os patos adultos apenas necessitarão de um suplemento de cereais ao qual se adicionou vitaminas e minerais.
Quando não há erva suficiente, é necessário dispor-se de uma alimentação mais equilibrada de modo a que as patas possam erigir as suas reservas para o próximo ciclo de postura. É preciso adaptar sempre a quantidade de comida a fornecer segundo a condição física do animal: se estiverem muito gordos, dê-lhes menos comida e se estiverem muito magros, aumente a quantidade de comida.
Patas poedeiras: necessidades durante um ciclo de postura
Os patos criados à solta são capazes de encontrar uma grande parte da alimentação de que necessitam quando andam fora. Pode-se suplementar a dieta destes patos com restos de comida caseira, que constituem uma fonte de energia. Para além disso as patas poedeiras necessitam um suplemento de cálcio. Este pode ser fornecido na forma de granulados ( 80-120 g por pato). De tal maneira os patos obterão todos os nutrientes de que necessitam.
Aos patos que são criados num espaço fechado pode-se começar a dar lhes alimentação adaptada aproximadamente quatro semanas antes de começarem a pôr. Caso sejam alimentados apenas com cereais não terão proteínas, cálcio e vitaminas em quantidade suficiente. A melhor alimentação para este período é uma mistura de comida, que pode ser fabricada em casa ou se pode comprar. Mais adiante é apresentada uma receita.
Caso compre uma ração especialmente preparada para patos, não necessitar á de adicionar algo mais. O fabricante da ração para os patos já previu que a ração integra tudo o que estes animais necessitam.
A quantidade a fornecer depende da raça de pato, do seu peso, da produção de ovos e da disponibilidade de ervas. As poedeiras necessitam diariamente uma quantidade aproximada de entre 170 e 230 gramas.
Boas poedeiras podem chegar mesmo a ter uma necessidade de 280 g de comida por dia. Caso note que as patas estão a ficar demasiado pesadas (i.e. demasiado gordas) é uma boa idéia de fechar os comedouros durante a noite. As patas quando estão muito gordas põem menos ovos, o que é uma perda de alimentação e de dinheiro.
Eis aqui um exemplo de um preparado alimentar simples para 20 patas poedeiras, para um período de 7 dias:
20 kg de arroz quebrado (50%)
10 de farelo de arroz (25%)
10 de farinha de peixe/restos de peixe/farinha de ossos (25%)
40 kg em total (100%)
Pode-se misturar um pouco de água aos ingredientes apresentados para que o preparado fique um pouco úmido. Acrescente a água apenas na altura de dar a comida, pois de outra maneira a mistura poderá apodrecer. O próximo exemplo apresentado fornecerá comida suficiente para os patos que são criados num recinto fechado. Baseia-se numa quantidade de 285 g de comida por pato, por dia. Caso forneça a cada pato 200 g de comida por dia, esta quantidade dará para 10 dias.
A quantidade unitária que dará dependerá do tamanho dos patos.
Em áreas aonde o peixe fresco, farinha de peixe ou farinha de camarão abundam, poderá fazer o preparado seguinte:
24 kg de farelo de arroz (60%)
8 kg de farinha de milho (20%)
8 kg de farinha de camarão
(ou o equivalente em restos de peixe fresco) (20%)
40 kg em total (100%)
Acrescente 2% de óleo de fígado de bacalhau e 2% de cascas de ostras a esta mistura e suplemente esta ração com alguma forma de alimento verde (restos de legumes) caso os patos sejam mantidos encerrados durante todo o tempo.
A seguinte mistura é boa para as patas que põem ovos com casca fina. As quantidades são para 20 patos para 7 dias:
30 kg de cereais ou de subprodutos
4 kg de peixe ou de restos de peixe
4 kg de polpa ou de restos de fruta
2 kg de conchas moídas
200 g de sal + 100 g de minerais
Dieta de engorda
Dependendo da raça, os patos podem ser abatidos quando atingiram um peso entre os 2,8 e os 3,2 kg. Controle os patos cada semana para ver se estão a ganhar peso. Caso não tenham ganho peso, ou apenas muito pouco, é altura de os abater. Se continuar a manter os patos que já não aumentam de peso, estará a desperdiçar o seu dinheiro. A composição da ração dependerá principalmente de quanto quererá gastar na alimentação e se pensa que poderá amortizar os custos.
Sumário dos aspectos mais importantes sobre a alimentação dos patos
*  Certifique-se que há sempre uma quantidade abundante de água limpa, para beber.
* Certifique-se que os patos têm uma dieta variada que lhes proporcionar á todos os nutrientes essenciais.
*  É bom deixar os patos soltos durante o dia para que comam ervas e fechá-los durante a noite (para proteção).
*  Controle sempre o que é que os patos fazem com a comida que se lhes dá. Caso não toquem em grande parte da comida, dê-lhes menos na próxima vez.
*  Retire a comida que ficou para que não apodreça e comece a cheirar mal. Caso deixe os restos de comida, atrairá ratazanas e ratos e outros parasitas para a habitação dos patos. A comida estragada também poderá causar doenças nos patos.
*  Caso as patas deixarem de pôr ovos, deve ser por duas razões;
 1)devem estar a perder penas (muda)
2) a comida que se lhes dá não é de boa qualidade, por exemplo, com mofo.
*  Se as cascas dos ovos forem muito finas, acrescente cálcio à ração na forma de cascas de ostras ou cascas de ovo trituradas, finas.
Por vezes os patos morrem, subitamente. Tal pode dever-se a uma das seguintes causas:
1.Carência de água.
2. Água suja
3. Intoxicação alimentar
4. Doença
Sempre que se registre mortes súbitas nos patos, contate o veterinário Observe sempre os seus patos cuidadosamente, anotando a sua condição física, a sua saúde e o seu comportamento. Faça-o diariamente. A experiência adquirida ajudá-lo a gerir melhor os seus animais.
Intoxicação alimentar
Os patos são muito sensíveis a substâncias tóxicas que se encontram na sua alimentação. Toda a alimentação é susceptível de conter substâncias tóxicas. Tal ocorre normalmente como resultado de más condições de armazenamento dos ingredientes da comida, em lugares úmidos ou muito quentes. Os amendoins e o milho, se estiverem podres ou infestados com fungos podem conter substâncias tóxicas.
Os patos também podem ficar intoxicados com plantas venenosas ou cadáveres animais em decomposição. Tal chama-se botulismo. Certifique-se de que todas as fontes de água a que os animais têm acesso estão isentas de materiais em decomposição. Ver secção 6.3 para mais informação sobre este assunto.
Os patos também podem ser envenenados por pesticidas ou inseticidas.
Se os animais comerem plantas nas quais foram aplicados estes produtos químicos tóxicos, absorverão o veneno que não será eliminado na sua totalidade, mas ao contrário, ficará acumulado no corpo o que pode provocar doenças ou até mesmo a morte do animal.
 Produtos
Quando se começa a criar patos, normalmente tem-se em vista os produtos que os mesmos poderão fornecer, principalmente os ovos e a carne. O estrume do pato também poderá ser uma razão para os criar.
Neste capítulo são apresentadas linhas diretrizes no que concerne a níveis de produção assim como conselhos sobre os cuidados a ter com os produtos, com o objetivo de se melhorar a qualidade dos mesmos.
Qualidade significa que o produto é fresco, limpo e que tem bom gosto, mas também que tem uma boa aparência. Produtos cuja qualidade é elevada vender-se-ão melhor, razão pela qual vale a pena fazer um esforço para cuidar bem dos produtos.
Dados de produção e cuidados diários
Os dados de produção são calculados através da monitorização dos níveis de produção de uma determinada raça de pato, durante algum tempo. Na medida em que as condições de produção não são as mesmas em cada exploração agrícola, estes dados apenas fornecem uma indicação dos níveis de produção que se podem atingir. Sem experiência é muito difícil estimar qual o nível de produção que se pode esperar.
Após ter criado patos durante alguns anos, nessa altura estará em condições de poder fazer as suas próprias estimativas de produção. O Quadro abaixo fornece alguns indicadores sobre alguns dados de produção.
Habitualmente os patos criados à solta são menos produtivos que os mantidos num espaço fechado.
 Dados de produção referentes ao pato de Pequim
Ovos por pato, por ano 120-130
Peso médio do ovo 50-70 g
Período de incubação 25-26 dias
Idade do início do período de postura 4,5-5 meses
Duração do período de postura 12-18 meses
Peso do pato adulto (fêmea) 2,2-3,5 kg
Peso do pato adulto (macho) 3,4-4,6 kg
Relação macho/fêmea 1: 4
Cuidados com os ovos
Os cuidados a ter com os ovos começam no momento em que os mesmos são postos. As patas normalmente põem os ovos de manhã, o que significa que só se necessita de recolher os ovos uma vez ao dia, de manhã. Nisso diferem das galinhas que põem os seus ovos a qualquer hora do dia.
É melhor recolher os ovos o mais rápido possível depois dos mesmos terem sido postos, pois desse modo é mais fácil limpá-los e poderá, eventualmente, mantê-los num lugar fresco, para os conservar. A sujidade nos ovos pode causar doenças ao penetrar a casca e ser absorvida pelo interior do ovo, o que poderá causar que os mesmos apodreçam ou que não possam ser fecundados.
Dois métodos de limpeza dos ovos:
a seco
Tire toda a sujidade que puder com o auxílio de um paninho seco, de uma escova ou de uma faca. Esta é a uma boa maneira de remover a sujidade maior e mais visível.
emergindo os ovos em água quente
Este método só se deve aplicar caso os ovos sejam para vender (ou para comer). Ponha os ovos em água quente por um período não superior a 20 segundos. A temperatura da água deve ser um pouco mais elevada do que a dos ovos para que possa limpá-los bem.
Os ovos destinados a ser incubados não devem ser lavados com água. As cascas dos ovos têm buraquinhos pequenos (poros) que se abrem quando os ovos são colocados na água e há doenças que podem penetrar através destes buraquinhos o que pode resultar com que os ovos não sejam fecundados.
Guardar os ovos
Poderá recolher e guardar os ovos com o objetivo de os vender de dois em dois dias ou uma vez por semana. Também os pode guardar para que possa incubar muitos de uma vez, ao mesmo tempo. Caso seja possível conserve sempre os ovos que pretende vender num lugar fresco (mesmo se os vender no próprio dia). Depois de ter limpo os ovos é necessário pô-los num lugar frio o mais rapidamente possível.
Os ovos que são destinados a auto-consumo devem ser mantidos a uma temperatura baixa: 4-7 °C. Quanto mais curto é o período em que se vai conservar os ovos, tanto menos importante é a temperatura de armazenamento.
Os ovos destinados a serem chocados, devem ser mantidos a uma temperatura de 13-16 °C. Caso os ovos sejam guardados a temperaturas superiores (16-38 °C), o patinho começará a desenvolver-se, mas o processo será tão lento que o animal acabará por morrer dentro do ovo.
Os ovos destinados à incubação podem ser guardados durante um período máximo de sete dias. Após este período o número de ovos que serão incubados com bons resultados, diminuirá muito.
Tal como se encontra indicado, as patas podem começar a pôr ovos aproximadamente com a idade de 5 meses. Se forem bem tratadas podem continuar com o período de postura durante cerca de um ano e meio. O número de ovos que uma pata põe também depende duma boa gestão, ou seja, quanto tempo e cuidados dispõem nos seus patos. Isto engloba todos os aspectos da criação dos patos: habitação, alimentação e saúde. O quadro abaixo dá um exemplo da produção de ovos alcançada, segundo três níveis distintos de gestão, a saber:

Período desde o inicio da postura dos ovos
Nível baixo de gestão
Nível médio de gestão
Nível   alto   de gestão
Primeiro ½ ano
11
14
17
Segundo ½ ano
8
12
15
Terceiro ½ ano
6
9
12

É claro que no decorrer do primeiro semestre do seu período de postura as patas põem mais ovos que no fim do período de um ano e meio. Se os patos forem quase todos da mesma idade e, por esta razão, começarem a pôr mais ao menos ao mesmo tempo, poder-se-á notar que, após algum tempo, o número de ovos baixa. Caso pretenda obter uma produção contínua, deverá ter um bando de patos de idades diferentes. As patas que deixam de pôr são retiradas do bando e substituídas por poedeiras mais jovens. Dependendo do sistema segundo o qual se criam as aves também se poderá optar pela substituição completa do bando. Ver Secção 2.4 sobre manutenção de um bando e seleção das aves que são demasiado idosas para poderem produzir.
Algumas patas podem mesmo parar de pôr durante algum tempo. Se nesse momento estão a perder penas e outras começam a crescer em seu lugar, estão numa fase de muda. Este é, geralmente, um período de descanso para as aves. Caso sejam bem tratadas, após um período de cerca de seis semanas, começarão de novo a pôr. Se tal não acontecer, existem outros fatores em causa que devem ser averiguados.
Produção de carne
No final do período de postura, poderá vender as patas. Ou também poderá optar por criar patos somente pela carne. É o que se chama produção de patos de carne (para abate)
A diferença na produção de carne entre as aves poedeiras e as de carne reside no fato que as poedeiras são abatidas numa idade mais avançada. Por esta razão a carne das poedeiras é mais dura.
Se coze a carne das aves criadas para abate durante muito tempo, esta desfaz-se, sendo portanto, mais apropriada para ser frita ou assada.
Vender os patos vivos ou já abatidos
Quer se venda as aves poedeiras ou as de abate, terá que decidir como as irá vender. Os patos podem ser vendidos vivos ou já abatidos, dependendo da preferência do consumidor. Caso sejam vendidos vivos, a maneira mais fácil de os apanhar é não os deixar sair do seu abrigo noturno, na manhã seguinte. Nesse dia, mais tarde, poderá pôr as aves em grades ou caixas de cartão, aonde se fizeram buracos, e transportá-las para o mercado.
A grande vantagem de vender os patos vivos é que a carne não pode estragar-se antes de ser vendida. Caso se esbarrem com dificuldades imprevistas durante o transporte e que seja necessário mais tempo do que é costume para levar as aves ao mercado, evitar-se-ia o problema da carne se poder estragar. No entanto, caso não haja procura para os animais vivos, terá que abatê-los.
Abate dos patos
Idade para se abater as aves
A melhor idade para se proceder ao abate das aves é quando estas atingiram o seu crescimento final, ou seja, para os patos de Pequim, cerca das 8 semanas para as fêmeas e 9,5 semanas para os machos e, para as outras raças, cercas das 10 semanas para as fêmeas e 12 semanas para os machos. É também a altura em que a carne do peito é melhor.
Também pode ser que os clientes prefiram carne mais rígida e queiram pagar por isso sendo, nesse caso, preferível esperar mais algum tempo até abater a ave. As poedeiras que já terminaram a sua fase de postura podem ser abatidas em qualquer período.